quarta-feira, 5 de outubro de 2016

PAI DA VIDA



PAI DA VIDA…



Ó gaiteiro, tu queres sempre festa
Por vezes até perdes o bom senso
Elevas-te entre a fúria e o consenso
Procurando fazer o que te resta


Deveras desvairado, vais em frente
Acabas sendo um mestre em diversão
Fazes acelerar o coração
Num ápice te esvaís tão de repente


És força que alimenta nossas vidas
O fruto das hormonas saltitantes
Delicia de solteiras e casadas


Que procuram sarar intimas f’ridas
Em momentos tão loucos, as amantes
Sentindo-se em prazeres compensadas.



ARIEH  NATSAC


segunda-feira, 8 de agosto de 2016

ROSÂNGELA



ROSÂNGELA
(Musica traz outro amigo também)


Rosângela
Sê muito bem vinda
Ao almoço dos Horizontes
Ao almoço dos Horizontes
Continuas sempre linda
Entre nós não te amedrontes
Continuas sempre linda
Entre nós não te amedrontes

Estes versos
Estes são as nossas flores
Que levarás para o Brasil
Que levarás para o Brasil
Elas não perdem as cores
São nossos abraços mil
Elas não perdem as cores
São nossos abraços mil


Os outros
Os outros venham também
Gostaríamos de os receber
Gostaríamos de os receber
Leva-lhes saudades nossas
E o que mais tu quiseres
Leva-lhes saudades nossas
E o que mais tu quiseres.


VITOR CASTANHEIRA

domingo, 7 de agosto de 2016

A MINHA GRANDE ALERGIA



A MINHA GRANDE ALERGIA
(Música da quinta sinfonia – Paço Bandeira)
Esta letra é de minha autoria

Em tantos livros estudei
Na primavera da vida
Para poder ser alguém
Foram horas que passei
A enganar toda a gente
Mas só a mim me enganei
Tinha o vício p’la praia
Queria ser como alguns
Na prática do footbaal
Mas não tinha grande jeito
Tinha um corpo franzino
Por isso apanhava sol
Como era branco logo se notava
E não podia sequer disfarçar
Sabia que me iam castigar

Por isso fiquei revoltado
Aos livros tinha aversão
Até às aulas faltava
Fui p’ra colégio de padres
Para estar mais seguro
Mas nada me segurava
Eram missas eram terços
Que grande era a estopada
Que eu tinha de gramar
Até os muros saltava
Com a praia ali tão perto
Ia as miúdas espreitar
Como era branco logo se notava
Não podia sequer disfarçar
Sabia que me iam castigar


Agora que conto isto
Sinto uma grande revolta
Mas não há nada a fazer
Os meus pais tinham razão
Queriam o melhor p’ra mim
E só os fazia sofrer
Mas o tempo tudo levou
Agora sigo o meu caminho
E tenho que ir em frente
Com esta história p’ra contar
Perdido feito um anjinho
Ai como a vida é diferente
Daquela que eu já passei
Muitos sacrifícios há que fazer
Mesmo que me façam doer
E agora ando a sofrer.



ARIEH  NATSAC






AMIGOS VOU DE FÉRIAS



AMIGOS VOU DE FÉRIAS…
(Música de Menina estás à janela)
Esta letra é minha


Amigos eu vou de férias
Que eu também tenho direito
Vou deixar-me de lérias
A todos levo no peito

A todos levo no peito
A todos com amizade
Agora vou pôr-me a jeito
Vou deixar minha cidade

A cabeça anda zonza
E o espírito taralhoco
Vai ser grande a festança
Um mês sabe-me a pouco

Amigos eu vou de férias
Que eu também, tenho direito
Vou-me deixar de lérias
A todos levo no peito

A todos levo no peito
A todos com amizade
Agora vou pôr-me a jeito
Vou deixar minha cidade.


ARIEH  NATSAC




sábado, 6 de agosto de 2016

AONDE TU MORAS



AONDE TU MORAS…
(Musica da Queda do Império – Vitorino)
Esta letra é a minha


Aonde tu moras
Já te perdi o norte
Longe vai o verão
Quando nos encontrámos
Naquele bar eterno
Bebias café
Com as tuas amigas
Não reparaste em mim
São coisas passadas bem antigas

Retrato rasgado
Levado p’lo vento
Que ao vento mentiu
E tudo acabou
Saudade ficou
Mas trago no peito
Amor desamor
Onde tu estás.



ARIEH  NATSAC